SELECIONE SUA ÁREA DE ATUAÇÃO

Operadoras
de Saúde
Médicos, hospitais,
clínicas e laboratórios

Conhecendo a complexidade do processo de autorização para procedimentos médicos, a Orizon oferece soluções que simplificam a experiência do seu beneficiário no momento do atendimento, além de evitar procedimentos indevidos e futuras glosas.

nossas soluções:

Autorize Autorize saiba mais +

A Orizon entende o desafio da análise de contas médicas, por isso oferece soluções que reduzem o tempo do processo, aumentam sua eficiência e contribuem para a melhora do relacionamento com os prestadores.

nossas soluções:

Fature Fature Fature saiba mais +

O BPO (Business Process Outsourcing) é um serviço de transformação de processos, que disponibiliza as contas médicas em formato eletrônico, prontas para análise e pagamento.

Análises mercadológicas com base em dados do setor altamente qualificados, para oferecer às empresas consultoria na gestão de custos e na implementação de ações estratégicas que trazem vantagens competitivas frente à concorrência.

A Orizon facilita o acesso à saúde, oferecendo aos seus usuários descontos em uma grande variedade de medicamentos, que podem ser encontrados em uma ampla rede de farmácias credenciadas.

Estudos Farmacoeconômicos para a avaliação e direcionamento de investimentos.

Consulte os Estudos Farmacoeconômicos elaborados por nossa equipe técnica.

Conciliação eletrônica das contas médicas referentes aos serviços realizados pelos prestadores e faturados para as Operadoras de Saúde, que possibilita identificar de forma simples o que foi pago, as glosas e seus motivos, além das contas que ainda serão analisadas.

nossa solução:

Concilie saiba mais +

Selecione
sua área
de atuação

Empresas
indústrias
farmacêuticas

A Orizon facilita o acesso à saúde, oferecendo aos seus usuários descontos em uma grande variedade de medicamentos, além da possibilidade de desconto em folha e subsídios.

O Benefício Medicamento Orizon, que oferece descontos significativos em medicamentos, pode agregar valor ao seu produto e tornar-se um diferencial competitivo frente à concorrência.

Estudos Farmacoeconômicos com base no maior banco de dados da saúde suplementar, que auxiliam na avaliação de indicadores de saúde e contribuem para a eficiência do seu negócio.

Análises mercadológicas com base em dados do setor altamente qualificados, para oferecer às empresas consultoria na gestão de custos e na implementação de ações estratégicas que trazem vantagens competitivas frente à concorrência.

Planos de saúde perderam 1,4 milhão de beneficiários em 2016 devido à crise

jan

2017

24

O mercado brasileiro de planos de saúde médico-hospitalares perdeu quase 1,4 milhão de beneficiários em 2016, o que equivale a uma queda de 2,8% na comparação com o contingente de usuários existente em dezembro do ano passado. Os dados foram divulgados ontem (23) pe­­la Agência Nacional de Saú­de Suplementar (ANS).

Em dezembro, o setor registrava 47,9 milhões de beneficiários em planos de saúde médico-hospitalares, contra 49,3 mi­lhões no mesmo mês do ano passado. An­te novembro, houve queda de 5 mil beneficiários. Foi o segundo ano consecutivo de retração no segmento.

Somente no Estado de São Paulo, 630,3 mil beneficiários deixaram de contar com o plano de saúde médico-hospitalar. O número é maior do que a soma de vínculos rompidos nas demais regiões do Brasil e equivale a 46,1% do total de vín­culos rompidos no país.

O movimento é reflexo da crise econômica, que levou o Produto Interno Bruto (PIB) nacional a dois anos consecutivos de retração. Nesse cenário, o desemprego aumentou e superou a casa de 12 milhões de pessoas procurando trabalho.

Muitos desempregados perderam o plano de saúde corporativo e entram na lista de pessoas que deixaram de ser beneficiárias de planos de saúde privados.

“Segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), o saldo líquido de empregos em 2016 ficou negativo em 1,32 milhão de postos de trabalho formais. Como os planos coletivos empresariais, aqueles fornecidos pelas empresas aos colaboradores, ainda representam a maior parte dos planos médico-hospitalares, é natural que o número de vínculos apresente retração junto com o saldo de empregos formais”, explicou em nota Luiz Augusto Carneiro, superintendente executivo do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

Carneiro destacou que o ano poderia ter encerrado com uma redução ainda maior no total de beneficiários. “Como o plano de saúde é o terceiro maior desejo do brasileiro, atrás apenas da casa própria e da educação, os beneficiários de planos de saúde, mesmo desempregados, optam por cortar outros gastos antes de romper o vínculo com a operadora.”

A região Sudeste puxou a queda do total de beneficiários de planos médico-hospitalares em 2016, com 1,1 mi­lhão de rompimentos.

Odontológicos

Apesar da queda no número de beneficiários de planos de assistência médica, a quantidade de pessoas que tem acesso a planos exclusivamente odontológicos cresceu 3,8% em 2016.
Ao todo, 22 milhões de pessoas encerram o ano passado com plano odontológico, cerca de 815 mil a mais do que em dezembro de 2015.